sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Lesões Oculares nos Touros - Frequente e Presente em Corrida RTP


Um estudo realizado em Espanha, apoiado numa amostra de mais de 6000 touros, revelou um grande número de lesões oculares sofridas por estes animais durante o desembarque da viatura de transporte, no período de espera para entrada na arena ou no decorrer da lide. Em 23% deles, foram encontradas úlceras de córnea, descolamento de retina, luxação e subluxação de lente, fratura da borda orbital na fronte, e hemorragia intra-ocular.

Não é, pois, de estranhar que, recentemente, num espetáculo tauromáquico emitido pela RTP1, um touro não rejeitado durante a inspeção, tenha acabado por revelar cegueira na arena, em direto. 

Segue-se a transcrição de algumas palavras proferidas pelo cavaleiro tauromáquico Tito Semedo e pelo comentador da RTP Vasco Lucas, com referências à forma como o diretor de corrida Ricardo Pereira e o médico veterinário João Pereira se foram posicionando, durante um muito triste momento televisivo que durou cerca de 5 longos minutos, contados desde que o cavaleiro tauromáquico disse, pela primeira vez, bem alto, que o bovino não via nada, até o animal ter sido mandado retirar da arena:

Toureiro – “O toiro não vê! Não vê! Não vê! O toiro tem problemas de visão! Não vê nada, nada, nada!”

> Diretor de corrida manda o toureiro lidar o touro

Algumas voltas à arena depois:

Toureiro – “Sr. Diretor, o toiro não vê nada! Não vê! Ponho o ferro!?”

> Diretor de corrida faz gesto para o cavaleiro avançar, indicando “um”

Durante as mal-sucedidas tentativas de fazer o bovino reagir:

Comentador da RTP – “Já tenho visto toiros com muita reação semelhante e depois de levarem o ferro, despertam.”

Algumas voltas à arena depois:

Toureiro – “Não vê nada!”

> Diretor de corrida e médico veterinário fazem, de novo, sinal para a lide prosseguir 

Toureiro – “Vou enganar o público? Ponho o ferro e fica toureado? Ah, é um ferro e depois fica toureado!...”

> Diretor de corrida manda continuar

Durante mais algumas mal-sucedidas tentativas de fazer o touro reagir:

Comentador da RTP – “Porque é que o Tito não coloca o ferro?” (...) “Até porque se o toiro não vê é porque já não tem outra utilidade; portanto, tanto faz ir sem ferro como com ferro!” 

Toureiro (desta vez dirigindo-se não ao diretor de corrida mas ao público) – “O toiro não vê!”

Comentador da RTP - “Conseguiu virar o público contra o diretor de corrida e médico veterinário, que ao fim ao cabo gostaria de ver como é que o toiro reage ao castigo, como todos nós gostaríamos de ver!”

(...)

E lá foi, finalmente, dada a instrução para que o desgraçado do animal fosse retirado da arena! 

Acabaram-lhe com a vida após longas horas de cegueira, mas, pelo menos, não foi também perfurado, ao som de música e aplausos, por ferros com arpões.

O Sortudo – assim se chamava – foi mais uma vítima da tauromaquia, com a conivência de quem apoia esta cruel atividade, como seja a RTP.

1 comentário:

  1. Caros amigos
       Há 59 anos que me mentem!! Vejam, eu recomendo.

       Neste assunto, são dois documentários muito instrutivos.
       Agradecia que reencaminhassem para todos os vossos contactos.

       Carlos Rodrigues

    http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=_jufsDCmpj0

    Agora, vejam no final, quantos milhões de euros o estado dá em subsídios para este espetáculo.
    http://www.youtube.com/watch?v=6HFtLaPybyY

    ResponderEliminar