sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Paulo Rangel - Entrevista a Recordar!

Vêm aí as eleições europeias e este político - que está desajustado dos tempos modernos - quer continuar a representar Portugal na Europa! 

[Nota: Este indivíduo é uma péssima escolha para eurodeputado, independentemente de estar ligado seja a que partido político for.]

7 comentários:

  1. Este anormal é que não devia ter direitos alguns....Trata-se de uma besta da pior espécie, um imbecil de um troglodita que ainda vive no paleolítico inferior e que só cospe caca pela boca. Devia ter vergonha de dizer o que disse. ABAIXO este anormal pançudo e tonto. Um verme que pensa como tu devia ser queimado, apedrejado, torturado em praça pública. Acredite que todas estas palavras foram bem pensadas e sentidas antes de serem proferidas. PALHAÇO.

    ResponderEliminar
  2. Tb subescrevo .... BESTA !!!

    ResponderEliminar
  3. Que opiniões exacerbadas...!
    Concordo com o semhor (independentemente do partido que representa, visto que a organização no Parlamemto Europeu não se dá de acordo com os partidos políticos, mas sim, com as ideologias políticas)
    Não acham que estão a exagerar? Respeito mais alguém que, com veemência afirma trocar a vida de seu cão por a de qualquer pessoa que seja, mesmo não a conhecendo, que um defensor ridículo exacerbado daquilo que são, animais. Os animais são isso mesmo: animais.
    Queridos e "fofinhos", e que, as muitas das vezes não pensas duas vezes em atacar um ser humano.
    Esta defesa pelos supostos direitos dos animais é ridícula, ridícula, ridícula, e uma atrocidade para qualquer jurista! O Direito existe para a tutela de interesses legítimos, ou seja, interesses que, pela sua razão de ser, reclamam do Estado uma tutela coerciva para que não sejam violados, ou, em caso de violação, uma sanção, para que a ordem seja estabelecida.
    Talvez um dia os animais careçam de direitos, - o que não se afigura dado que a todos os direitos se contrapõem deveres, mas para já não.
    E mais digo, se algum dia os animais tiverem direitos, os terão em prol dos seres humanos e não deles.

    Porque razão existe agora, uma tutela do ambiente? Porque se demonstrou ser essencial preservar o espaço em que o SER HUMANO vive.

    Acho completamente absurdo estarem a tolher o Dr. Paulo Rangel, alguém com um percurso académico, cultura e sabedorias admiráveis, simplesmente por dizer o que muitos de nós gostariam de dizer, mas que não fazem, com medo das repercussões sociais.

    Estudem Direito, porque é que ele surgem, porque é que eles se impõem, porque é certos comportamentos são punidos, outros não; porque é que certos comportamentos apenas acionam a responsabilidade civil, e outros responsabilidade penal! Façam uma visitinha à Constituição d irão ver que ínsito no artigo 18.°, esta uma proibição da restrição dos direitos fundamentais que seja, entre outros parâmetros, desproporcionada.

    Acham mesmo justo atacar o património alguém, ou até condená-la à prisão, devido a um animal.

    Que sofrem, bem o sei, mas um animal não passa disso: de um animal; nunca será, apesar das vossas investiduras, uma pessoa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E se houvesse uma espécie (animais hiper-humanos, chamemos-lhes assim) com mais poderes que a nossa (animais humanos) para dominar as outras espécies todas e escrever umas leis? Estaria certo os animais humanos não terem direitos, nem que fossem apenas os fundamentais? Essa espécie superior (a dos animais hiper-humanos) resolvia fazer umas "humanadas" para entreter a malta hiper-humana com uns indivíduos simplesmente humanos. O senhor via alguém levar a sua filha para lhe cravar uma lâmina nas costas para ver se ela era brava, e como ela tentava fugir do castigo e não passava nos testes, teria que ouvir os seus gritos enquanto a levavam à força dali para fora, percebendo o senhor que nada de bom daí viria (afinal, a sua jovem filha ia para virar bifinhos que algumas pessoas da espécie superior iriam comer). Depois, separavam-no da sua companheira. Homens para um lado; mulheres para o outro. Entretanto, obrigavam-no a correr e a correr todos os dias. Por vezes, o seu coração quase não aguentava, ia vendo amigos seus a morrerem, mas lá se ia aguentando. Um dia, levavam-no à força num meio de transporte cujo barulho o incomodava profundamente. O stresse seria tanto que o senhor borrava-se todo pelo caminho e chegava ao destino desidratado e fraco. Serravam-lhe e limavam-lhe os dentes - tudo sem anestesia, pois claro. Depois, obrigavam-no a entrar num recinto em que ouvia gritos e palavras que não entendia e iam-lhe espetando, nas costas e pescoço, uns ferros estranhos que ficavam presos no seu corpo e lhe faziam escorrer sangue até aos pés.... Faria lá algum sentido que alguns animais hiper-humanos se preocupassem consigo!!!! Veja lá o exagero! A constituição e outra legislação dos animais hiper-humanos a atribuir direitos só aos pares deles e ao património, e meia dúzia de animalistas hiper-humanos a querem mudar a legislação, para que os animais não humanos e os animais humanos tivessem alguns direitos!! Que cena parva!

      Eliminar
  4. Pois eu também estudei Direito e dispenso as inanidades deste cavalheiro, que também defende a barbaridade da Constituição Europeia dever prevalecer sobre a Portuguesa. Não quero esta criatura, talvez licenciado mas pelos vistos não formado em Direito, a representar o meu País e a viver à nossa custa.

    ResponderEliminar
  5. Ora obrigado obrigado. Nele não voto. E sobre a constituição, ele até deve achar que está acima dela... ou não fosse ele pp tão bem constituído - fisicamente, claro está!

    ResponderEliminar